Prefeituras reclamam da crise, mas continuam contratando sem concurso público.

No ato de meraDSC05001 pirotecnia, desrespeitando os munícipes, diversos prefeitos resolveram fechar as prefeituras no último dia 25 de setembro em protesto contra a redução dos recursos destinados aos municípios por parte do governo federal.

Ao contrário do que afirmam, não conseguem explicar os gastos com secretarias desnecessárias, excesso de contratados e comissionados sem a realização de concurso público, locações excessivas de veículos, gastos enormes com obras que não justificam os valores anunciados, nepotismo com a família empregada em secretarias, realização de festas desnecessárias, dentre outras anormalidades.

O SINFEMP- Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Patos e Região reconhece que existe crise, que é uma crise internacional, que prejudica o Brasil, consequentemente os Estados e Municípios e mais ainda os trabalhadores, mas ao mesmo tempo não justifica a política implementada pelos gestores, no que diz respeito a pessoal.

DSC05034Dados do Sagres do mês de junho de 2015, traz a enxurrada de contratações sem a realização de concurso, nos 21 municípios que compreendem a base territorial da entidade, senão vejamos:Areia de Baraúnas, tem 100 servidores efetivos. Além de 55 comissionados e um contratado. Cacimba de Areia tem 201 servidores efetivos. Além de 82 comissionados e 14 contratados. Condado tem 272 servidores efetivos. Mas tem 18 comissionados e 78 contratados. Catingueira tem 163 servidores efetivos. Tem ainda 64 comissionados e 69 contratados. Emas têm 216 servidores efetivos. 37 comissionados e 27 contratados. Junco do Seridó com 189 servidores efetivos, mas tem 67 comissionados e 9 contratados. Malta tem 247 servidores efetivos, mais 31 comissionados e 40 contratados. Mãe D’água tem 188 servidores efetivos e mais 55 comissionados e 36 contratados. Olho D’água tem 353 servidores efetivos e mais 75 comissionados e 22 contratados. Passagem tem 203 efetivos e mais 61 comissionados e 39 contratados. Patos têm 2.355 servidores efetivos, mais 395 comissionados e 615 contratados. Quixaba tem 121 servidores efetivos e mais 60 comissionados e mais 1 contratado. Salgadinho tem 151 servidores efetivos e mais 71 comissionados e 20 contratados. Santa Luzia tem 408 servidores efetivos e mais 87 comissionados e 216 contratados. Santa Terezinha tem 228 servidores efetivos e mais 54 comissionados e mais 53 contratados. São Mamede tem 308 servidores efetivos e mais 186 comissionados e mais 53 contratados. São José do Sabugi tem 150 servidores efetivos e mais 30 comissionados e mais 22 contratados. São José do Bonfim tem 95 servidores efetivos e mais 26 comissionados e mais 2 contratados. São José de Espinharas tem 221 servidores efetivos e mais 28 comissionados e 15 contratados. Várzea tem 74 servidores efetivos e mais 55 comissionados e 122 emprego público. Vista Serrana tem 179 servidores efetivos e mais 54 comissionados e mais 13 contratados.

Para a presidente do SINFEMP, Carminha Soares os prefeitos alegam crise e ao mesmo tempo permanecem contratando e comissionando, aumentando a folha de pagamento e dificultando aumento salarial todos os anos para os servidores efetivos de cada município.

Para o presidente da CTB/PB e vice-presidente do SINFEMP, José Gonçalves, os prefeitos tentam passar uma imagem para a sociedade e a população em cada município, que todos os problemas enfrentados são devido ao governo federal, mas não justifica essas alegações.

O SINFEMP sempre lutou pela realização de concurso público e pela convocação imediata dos aprovados, melhorando o serviço público e respeitando os direitos trabalhistas. O servidor contratado recebe a metade do efetivo, além de não serem respeitados os demais direitos, tais como: recolhimento do FGTS, férias, 13º salário, pagamento de insalubridade, adicional noturno e para piorar a maioria dos gestores descontam o INSS e não repassam, prejudicando-os em suas futuras aposentadorias.

Comente com o facebook

Comentários

Deixe um comentário