Professores de Emas poderão entrar em greve

DSC04967Em assembleia geral realizada na última sexta-feira, dia 20 de setembro de 2013, na Câmara Municipal de Emas, os profissionais do magistério público municipal exigiram a aprovação do Plano de Cargos, Carreira e Salários da categoria, já discutido com o gestor municipal, assessoria jurídica, excluindo o artigo 61 que impede o mesmo de ser colocado em prática, ou seja, só terá validade se o município tiver condições de pagar, prejudicando todos os professores.

Não apenas os professores,mas os demais servidores presentes reclamaram do não pagamento do mês de dezembro de 2012, deixado pela ex-gestora, onde o prefeito se comprometeu em pagar em três parcelas, sendo uma de 40% e duas de 30% e no entanto pagou apenas uma, deixando de honrar o compromisso assumido diante da entidade sindical e os servidores municipais.

Os vigias também estão reclamando do congelamento do adicional noturno, que é de 25%, pois aumentou o salário mínimo e no entanto, permaneceu o mesmo valor e querem a regularização, evitando assim prejuízos.

O pagamento de insalubridade para os garis, servidores da saúde, coveiros e demais trabalhadores que trabalham em locais insalubres é outra reivindicação dos servidores.

O SINFEMP irá solicitar uma audiência com o Prefeito para discutir a situação e caso não sejam atendidas as reivindicações, será realizada assembleia para decidir pela greve no município.

Para o vice-presidente do SINFEMP, José Gonçalves, virou moda os prefeitos apresentarem os planos de cargos, carreira e salário dos servidores e colocarem um artigo que só poderão colocar em prática se tiver dinheiro, por orientação da assessoria jurídica e contadora desses municípios.

Para o sindicalista, os prefeitos ainda imaginam que estão na época do coronelismo, onde tudo podia, ninguém tinha conhecimento dos recursos destinados para  os municípios, os balancetes, dentre outras informações.

sinfemp.com.br

 

Comente com o facebook

Comentários

Deixe um comentário