Servidores da Saúde de Patos decidem paralisar atividades

Dezenas de servidores públicos municipais de Patos, lotados na Secretaria de Saúde, decidiram em assembléia geral realizada no dia 21 de maio de 2013, no Auditório da Associação Comercial,  paralisar suas atividades na próxima segunda-feira, dia 27 de maio de 2013, na luta por aumento salarial, aprovação do Plano de Cargos, Carreira e Salários, pagamento de isonomia salarial, adicional noturno, redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais, contra o assédio moral nos locais de trabalho, melhores condições de trabalho, dentre outras.

A presidente do SINFEMP- Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Patos e Região, Carminha Soares, enfatizou que a pauta entregue a prefeita de Patos, Francisca Mota, não foi atendida, revoltando a todos os funcionários da saúde do município.

No dia 27, segunda-feira, as 08:00 horas da manhã, todos os servidores da saúde se  concentrarão na sede do SINFEMP, localizada na Praça Edivaldo Mota, 63, Centro, onde será servido um café da manhã e em seguida sairão em caminhada, se concentrando na frente da Prefeitura Municipal, onde será realizado um ato público, exigindo da gestora o atendimento as reivindicações da categoria.

O Conselho Municipal de Saúde também será procurado para agilizar a apresentação do Plano de cargos, pois vários prazos foram descumpridos, desde o mês de novembro de 2012, como também o dia 16 de maio de 2013, que seria a data para ser entregue a proposta pela Secretaria de Saúde e nada foi entregue a mesa diretora.

Para o presidente da CTB/PB e vice-presidente do SINFEMP, José Gonçalves, os servidores da saúde precisam de uma resposta imediata, especialmente no tocante a aprovação do PCCS, isonomia salarial e outras demandas da categoria.

Gonçalves também destacou que os servidores estão sendo impedidos de gozarem suas férias por parte da secretaria e que a entidade vai sugerir que seja feito um cronograma para garantir um dinheiro de todos os servidores da referida secretaria.

A assembléia também deliberou que se até o dia 6 de junho não for apresentada a proposta do Plano de cargos e salários ao Conselho de Saúde e o encaminhamento para aprovação pela Câmara Municipal, a categoria poderá entrar em greve por tempo indeterminado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinfemp.com.br

Comente com o facebook

Comentários

Deixe uma resposta